• Eduardo Sato

Estrela de Matusalém, mais velha que o universo?


Imagem mostra uma representação da estrela no espaço, uma esfera brilhante envolta por outros pontos que também são estrelas.
Uma das mais antigas estrelas de nossa galáxia, a HD 140283. Fonte: ESA / Hubble Telescope.

Há 190 anos luz da Terra está uma velha conhecida dos astrônomos. A HD 140283, também conhecida como “estrela de Matusalém”, é uma estrela que observamos há quase 100 anos. Porém, ao medirem sua idade, cientistas chegaram ao valor 14,27 bilhões de anos. Sabemos que o universo tem cerca de 13,8 bilhões de anos, seria esta estrela mais velha que o universo? Não! Entenda o motivo neste texto.


Em qualquer ciência experimental, é impossível fazer uma medida com precisão absoluta. Sempre existirão incertezas devido à precisão dos instrumentos de medida e devido às flutuações estatísticas. Assim, em artigos científicos, é comum se apresentar uma faixa de erro para nossa medida.


No caso da estrela de Matusalém, a idade apresentada é (14,27 ± 0,8) bilhões de anos. O valor 0,8 bilhão de anos é conhecido como desvio padrão, usualmente representado pela letra grega sigma (σ) e mostra um intervalo de confiança para a medida.


Cada área da Ciência adota um padrão de intervalos de confiança para confirmar descobertas científicas, mas em geral, é comum adotar o padrão “3σ”. Ele diz que a chance de se obter uma medida foram do intervalo três desvios padrão para cima ou para baixo é apenas 0,3%. Assim, a idade da HD 140283 está entre 11,87 e 16,67 bilhões de anos, com índice de confiança de 99,7%. Dessa forma, não há ainda um conflito entre a idade da estrela e a idade do universo.


Este intervalo de confiança é o mesmo usado em pesquisas eleitorais quando se fala sobre margem de erro e empate técnico. Porém, nessas pesquisas em geral se usa um intervalo de dois desvios padrão, o que confere um índice de confiança de 95%. Perceba que a confiança não cresce linearmente com os desvios padrões (leia mais sobre aqui).


Sempre procure saber a margem de erro de medidas experimentais que são apresentadas! Elas nos dão uma informação muito mais completa do que foi medido e o que podemos afirmar de forma científica! Referências e Saiba Mais:


[1] Three Ancient Halo Subgiants: Precise Parallaxes, Compositions, Ages, and Implications for Globular Clusters. (Vanderberg et al.). The Astrophysical Journal.


[2] How Can a Star Be Older Than the Universe?. Space.com

299 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo